Não esqueçamos os filhos dos divorciados

295
filhos de pais divorciados

Enquanto a atenção se concentrava no sofrimento dos divorciados e casados novamente que não podem comungar, surgiu na Sala do Sínodo o tema do sofrimento dos “filhos dos divorciados”, que parecia um assunto não presente no debate.

Alice Heinzen, que veio dos Estados Unidos e faz parte de um organismo de planejamento familiar natural, está presente no Sínodo com seu marido e disse do comentário de um jovem que encontrou: “Meu pai tem uma amiga, minha mãe um amigo, passo uma semana com um e uma semana com outro, é triste”.

Os filhos dos divorciados são mais fragilizados que seus pais

Às margens do Sínodo, o cardeal Christoph Schönborn, que faz parte dos padres sinodais, falou deste tema na rede de televisão francesa Sel et Lumière. A título pessoal, disse: “escandaliza-me que no discurso eclesial se fale sempre da questão da misericórdia para com os divorciados que casaram novamente, mas antes vem a misericórdia pelos filhos! Não esqueçamos aqueles que são ainda mais pobres que os divorciados que casaram novamente: os filhos deles, que sofreram pelo divórcio dos pais”.

Como prova deste sofrimento, não exitou em oferecer seu testemunho pessoal: “um dia na escola um menino me perguntou: ‘Qual foi o momento mais difícil da sua vida?’, espontaneamente respondi: ‘A noite quando me dei conta de que meus pais estavam se divorciando’. Digo sempre aos pais: ‘Vocês colocaram nas costas dos seus filhos o peso do conflito de vocês? Não os pegaram como reféns?’”.

O sofrimento de toda uma rede familiar

Schönborn mencionou também o sofrimento dos “viúvos e viúvas do divórcio”, que são os parceiros abandonados que permaneceram sozinhos porque não puderam – ou quiseram, por convicção – refazer uma vida. “O Instrumentum laboris dedica a eles somente uma pequena nota”, lamentou o cardeal.

Por outro lado, recordou que quando se verifica um divórcio em uma família, sofre toda a rede familiar: pais, irmãos, irmãs, tios, e muitos vezes de maneira dramática. Na pastoral é preciso levar em consideração este sofrimento, parece que os oradores ressaltaram: é preciso que haja uma pastoral para os filhos de pais separados.